A incrível Arte de Ashley Armour Kittrell,

23 de junho de 2015 1 Comentário
Apaixonada por literatura clássica (quem não?) a designer grafica de Utah Ashley Armour Kittrell decidiu desenhar um "Book Cover" e todos os seus clássico favoritos. E para pegar a essência principal de cada obra ela teve que rele-los com muita atenção e cuidado. Segue abaixo o amor que ficou cada ilustração!

This is the first project that brought together my passions for both design and literature. I decided to choose my favorite classic books and redesign their covers. This was the ultimate conceptual design challenge because I had to reread the books and decide what illustration would best sum up the major themes of each book. It's official. My inner book nerd self has been exposed. 










 Eu sinceramente não sei dizer qual é minha favorita, seria demais desejar que publicassem essas capas no Brasil? <3



Resenha / A Sombra do vento

20 de março de 2015 Nenhum comentário
A Sombra do Vento é uma narrativa de ritmo eletrizante, escrita em uma prosa ora poética, ora irônica. O enredo mistura gêneros como o romance de aventuras de Alexandre Dumas, a novela gótica de Edgar Allan Poe e os folhetins amorosos de Victor Hugo. 
Ambientado na Barcelona franquista da primeira metade do século XX, entre os últimos raios de luz do modernismo e as trevas do pós-guerra, o romance de Zafón é uma obra sedutora, comovente e impossível de largar. Além de ser uma grandiosa homenagem ao poder místico dos livros, é um verdadeiro triunfo da arte de contar histórias. 
Tudo começa em Barcelona, em 1945. Daniel Sempere está completando 11 anos. Ao ver o filho triste por não conseguir mais se lembrar do rosto da mãe já morta, seu pai lhe dá um presente inesquecível: em uma madrugada fantasmagórica, leva-o a um misterioso lugar no coração do centro histórico da cidade, o Cemitério dos Livros Esquecidos. O lugar, conhecido de poucos barceloneses, é uma biblioteca secreta e labiríntica que funciona como depósito para obras abandonadas pelo mundo, à espera de que alguém as descubra. É lá que Daniel encontra um exemplar de "A Sombra do Vento", do também barcelonês Julián Carax. O livro desperta no jovem e sensível Daniel um enorme fascínio por aquele autor desconhecido e sua obra, que ele descobre ser vasta. 
Obcecado, Daniel começa então uma busca pelos outros livros de Carax e, para sua surpresa, descobre que alguém vem queimando sistematicamente todos os exemplares de todos os livros que o autor já escreveu. Na verdade, o exemplar que Daniel tem em mãos pode ser o último existente. E ele logo irá entender que, se não descobrir a verdade sobre Julián Carax, ele e aqueles que ama poderão ter um destino terrível.
                                                            


Antes de começar a resenha, de fato, tenho que confessar que Carlos Ruiz Zafón tomou meu coração de forma arrebatadora e irremediável. Sua escrita é, de longe, fenomenal. E este é, com toda a absoluta certeza, um dos meus livros prediletos; 

Em “A sombra do vento” nos é apresentado a história de Daniel Sempere que, ás vésperas do seu 11° aniversário, acorda chorando por não conseguir lembrar o rosto de sua falecia mãe. Foi nessa mesma madrugada gelada de 1945 que Daniel foi levado pelo pai para conhecer Cemitério Dos Livros Esquecidos, um santuário de livros desconhecido pela maioria das pessoas , e é lá que o pequeno Sempere se depara com o livro "Sombra Do Vento", de Julían Carax.

Tendo vivido a vida toda em um apartamento em cima de uma livraria especializada em edições para colecionadores e livros antigos herdados do avô, Daniel cresceu ao redor do livros e naturalmente, aprendeu a apreciá-los e respeitá-los. E, ao encontrar aquele exemplar de um livro desconhecido cujo o autor se sabia menos ainda, Daniel encontrou muito mais do que uma boa história; ele encontrou um amigo para o resto da vida e um delicioso mistério a se desvendar.
"Cresci no meio de livros, fazendo amigos invisíveis em páginas que se desfaziam em pó e cujo cheiro ainda conservo nas mãos."

Como percebi ser uma característica do autor, em “A sombra do vento” temos um entrelaço de histórias e personagens, paralelamente conhecemos e acompanhamos a história de Daniel, crescemos com ele e sentimos seus anseios e revivemos todos os seus descobrimentos a respeito da vida e, com o pequeno mas determinado Sempere, vamos em busca de Julían Carax e todo o mistério que cerca, tanto autor como obra. 
"Falei-lhe como, até aquele instante, não havia compreendido que aquela era uma história de pessoas solitárias, de ausência e de perda, e que, por esse mesmo motivo, havia me refugiado nela até confundí-la com a minha própria vida, como quem escapa pelas páginas de um romance porque aqueles que precisam amar são apenas sombras que moram na alma de um estranho."

A narrativa de Zafón é apaixonante, de uma fluidez impressionante. Sua expressividade é líquida. Contando uma  história por meio de metáforas magníficas e muito bem descritas.  Zafón consegue nos transportar para um enredo que mistura as atmosferas góticas de Edgar Allan Poe e os romances de Alexandre Dumas.
"Eu crescera convencido de que aquela lenta procissão de pós-guerra, um mundo de quietude, de miséria e de rancores escondidos, era tão natural quanto a água da torneira, e que aquela tristeza muda que sangrava das paredes da cidade ferida era o verdadeiro rosto de sua alma."

A sombra do vento é, antes de qualquer coisa, um ode aos livros e ao quão profundo eles podem marcar uma pessoa sábia o suficiente para permiti-lo. E Carlos Ruiz Zafón, com toda a absoluta certeza, é mais do que apenas um escritor, é um lírico, um artista capaz de tocar tão profundamente quanto seus excepcionais personagens. 
"O destino costuma estar na curva de uma esquina. Como se fosse uma linguiça, uma puta ou um vendedor de loteria: as três encarnações mais comuns. Mas uma coisa que ele não faz é visita em domicílio. É preciso ir atrás dele."


Resenha publicada, inicialmente, no Blog Feitas De Papel.

Wishlist

21 de dezembro de 2014 4 comentários

01. Patins Traxart TXT Nektar, modelo  Freestyle da Hawaii Virtual
02. Estojo de make da Sephora
03. Globo Terrestre para decoração
04. Luminária para mesa, como essa da Oppa.
05. Kit De mascaras da Maybelline
06. bonequinhos da Funko pop <3
07. Aparador de livros da Boutique de achados.
08.  Bolsa protetora de Coro Rosa para minha instax do Aliexpress
09. Batom M.A.C. Ruby Woo na Sephora
10. Modelador de Cachos da Polishop

Palavras não ditas

14 de dezembro de 2014 Nenhum comentário


Hoje eu sonhei com você. Isso não é irônico?  Já fazem anos desde nosso quase envolvimento amoroso, a anos não falo com você. Será que ainda lembra? Será que também senti falta de algo que apenas começou a nascer entre  nós e que morreu com a distância? Nós éramos apenas duas crianças aprendendo a amar, ainda éramos envoltos na inocência. E foi isso que fez ser especial para mim, eu ainda lembro de você.
Eu me lembro dos risos, dos olhares envergonhados, das brincadeiras e principalmente das palavras que não foram ditas, mas sentidas. Eu gostava da sua voz, a sonoridade fazia meu corpo vibrar, meu peito comprimia quando você sorria para mim  ou quando me  protegia dos meus medos. 
As sensações, ah as sensações. Elas foram embora tão rápido, não foram ? Elas foram embora comigo, quando fugi de você. Por favor, não me entenda mal, eu estava começando a me apaixonar e por isso eu tive medo. Sim, eu resisti a você por puro medo.
E agora depois de anos eu voltei a te ver, imagens rápidas de quando éramos crianças, a paz que me trazia seu sorriso, seu afeto, sua presença. Mas agora é tarde de mais. Você cresceu, é um belo adulto devo acrescentar. É experiente, e superou nosso amor de infância. Talvez eu deva fazer o mesmo, talvez eu devesse crescer.

642 coisas sobre as quais escrever.

24 de setembro de 2014 8 comentários

Ainda que eu goste de escrever, muitas vezes emperro no meio de um texto por não saber como desenvolve-lo ou, na maioria das vezes, por não saber desenrolar uma idéia confusa súbita.  Então, sabendo que a melhor maneira para não travar é praticar, resolvi ir atrás de projetos para ajudar a melhorar a escrita e o desenvolvimento de  histórias.
Foi assim que acabei achando o Projeto 642 coisas sobre as quais escrever através do blog Sobre livros e letras e, claro, resolvi participar.



1. Descreva a sua aparência física (na terceira pessoa), como se você fosse uma personagem de livro.
A primeira coisa que chama a atenção nela é o seu sorriso, aquele com uma fileira repleta de dentes brancos a mostra, acobertados por lábios grosso pintados com Lip Balm. O seu sorriso é quase que sua marca registrada e ela o utiliza o tempo todo porque acreditava que o fato de ser simpático com alguém poderia fazer uma grande diferença. 

“Você não sabe pelo que ele está passando, seja gentil” 

 E se não fizesse diferença nenhuma para outrem, ao menos, estava sendo educada. Se a conhecesse por tempo o suficiente poderia medi-la por seus sorrisos.

 Ela é tão fácil de ser ler (ainda que deteste isso).

 Sorrisos médios para pessoas que acaba de conhecer, Sorrisos pequenos e com lábios levemente franzidos para dias ruins, sorrisos enormes seguidos de gargalhadas para momentos de pura felicidade e sorrisos constantes que se estalam por prolongados momentos para lembranças gostosas, para um novo filme recém descoberto ou para uma leitura prazerosa.

 Ela tem cabelos volumosos, longos e castanho escuro que estão em uma perpetua fase de transição entre o ondulado e o liso, e ela se orgulha completamente disso. Ama seus cachos (ainda que,as vezes, queira adestrá-los de vez) e está constantemente amarrando-o em um coque devido o calor. Suas sobrancelhas são cheias e escuras e seus olhos castanho-avermelhados contornados por cílios cheios e levantados. Ela costuma ter olheiras discretas e, se parar prestar um pouco de atenção em sua bolsa cheia de bottons literários e sua rotina sem-tempo-para-nada, fica fácil supor que elas são fruto de madrugadas absorda em leituras que, teoricamente, iriam ser apenas até o próximos capítulo.

 Ela tem as unhas curtas porque tem o péssimo hábito de se arranhar sem intenção quando estas estão grandes, tem uma cicatriz pequena na perna direita e outra debaixo do queixo, marcas de uma infância agitada e feliz.

Com seus quase 19 anos é magra e tem peitos e bum bum médios mas, devido a sua estatura mediana passaria sem muito dificuldade por uma garota de 16. Ela é transparente demais, se prestar atenção o suficiente pode-se desvendar suas emoções pelos seus gestos, fica claramente agitada quando nervosa, uma veia aparece em sua testa quando está sobre efeito de alguma emoção intensa, ela não consegui engolir o choro rápido o suficiente.

Ela, a princípio, não é diferente de muitas de sua idade. Até se dar uma segunda olhada, uma com mais atenção. Aí, quando se observar verdadeiramente, se encontra um universo a desvendar.


Sobre Hobbies, inspirações súbitas e Layout novo.

1 Comentário
Desde pequena sempre tive o hábito de desenhar e ouvir música para relaxar,  ao longo dos anos a música se tornou parte integrante de praticamente toda a minha rotina: Quando acordo preciso imediatamente ligar o som e deixar Coldplay (as mais antigas) tocar, banho ao som de Chet faker (que estranhamente me dá a sensação que estou debaixo da chuva <3) e minhas noites são ao som de Arctic Monkeys,  Florence + the machine e Benjamin Francis.

Foi pensando sobre hábitos que costumo praticar e que deixam meu dia mais gostoso que percebi que, infelizmente, não ando desenhando muita coisa ou escrevendo minhas amadas fanfictions. E por saber que vez ou outra é bom (e digo que até essencial) você deixar a rotina maçante e as obrigações um pouco de lado para fazer algo que te deixa feliz, resolvi organizar minha rotina para que aos domingos a tarde  possa fazer uma ou outra coisa. Inclui até atualizar o blog que anda muito³³ parado devido minha correria.

Hoje tentei rabisca algo que expressasse minha sensação de “Estou esparramada na cama curtindo preguiça enquanto tento ler algo” o desenho me agradou tanto que resolvi me arriscar em pintá-lo no photoshop e apesar de eu está apenas engatinhando em pintura digital gostei muito do resultado! Tanto que resolvi colocá-lo no layout do blog que, inclusive, está inspirado no livro “fangirl” da Rainbow Rowell. O que vocês acharam?


Acho que esse poste acabou ficando meio aleatório e confuso, desculpem rs.

Ideias para decorar o quarto Pt.2

19 de julho de 2014 1 Comentário

Desculpem a Demora por post! Essa tensão pré vestibular está acabando comigo. Estou até pensando em fazer um post-desabafo sobre isto. Mas sem mais delongas finalmente a continuação do “Ideias para decorar o quarto”.

2. Decorando Com Livros

Fala sério, tem coisa mais bonita para se decorar quartos com livros? Além de ler aquelas maravilhas podemos deixa nosso espaço ainda mais a nossa cara com eles. Uma vez um amigo me disse a frase “Mostre-me seus livros e te direi quem és” e concordei totalmente com isso! O que mais pode mostrar tanto da sua personalidade do que os livros que você lê?






 Fonte: Google
 
Desenvolvido por Michelly Melo.